sábado, 27 de abril de 2013

Um pouco mais sobre Deus

Ao longo da existência humana, o homem sempre quis conhecer a sua origem e o seu propósito. Essa busca em sua grande maioria se deu de forma errada e ineficaz, mas Deus pelo seu grande amor se revelou a humanidade, rasgando uma cortina de mistério, trazendo respostas as nossas indagações. O homem se desviou de seu propósito original, mas Deus estendendo a sua mão nos trouxe salvação.

Para conhecermos a Deus, primeiro temos de conhecer a Bíblia Sagrada, pois é a través dela que Ele se revela a humanidade. O homem não descobriu Deus, mas o próprio Deus se revelou. Está escrito que a Bíblia ilumina o caminho para Deus (Sl 119:105) e alimenta a nossa alma (Jr 15:16). 

Deus é Espírito e também o Criador de todas as coisas (Gn 1:1 / Jo 4:24 / Hb 11:3). Tudo foi feito por Ele e para Ele (Rm 11:36 / Cl 1:16) e sem Ele, nada do que foi feito se fez (Jo 1.3). No versículo dois, vemos que Jesus, estava no principio com Deus. Ele é a própria vida. Isso revela que na criação, quando Deus falava “Haja”, o próprio Senhor Jesus entrava em ação e fazia as coisas acontecerem (Gn 1:3). Por isso afirmamos que a Palavra é viva (Jo 6:63). 

Os atributos de DEUS revelam alguns aspectos que não são encontrados em nenhum outro ser: 

1) Soberano: Deus é o supremo Senhor, o verdadeiro dono de tudo; 

2) Eterno: Sem princípio e sem fim. Sempre existiu e sempre existirá; 

3) Onisciente: Sabe e conhece todas as coisas; 

4) Onipresente: Está em toda parte ao mesmo tempo; 

5) Onipotente: É o único que pode todas as coisas; 

6) Imutável: Os céus e a terra passarão, mas as suas palavras não hão de passar. Deus não muda a sua opinião através dos séculos. Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Ml 3.6). 

Deus é o “Criador” de todas as coisas (Gn 1:1) e tudo mais, seja material ou imaterial, são obras de suas poderosas mãos. Nada surgiu por acaso, tudo que existe partiu de algo e o ponto de partida de todas as coisas foi o próprio Deus, a fonte de vida em todo o universo e fora dele. 

O nosso Deus é trino, ou seja, três em um. A Trindade é composta pelo Pai (Jeová) Filho (Jesus Cristo) e o Espírito Santo. São três pessoas diferentes, mas juntos se completam. Só existe um Deus, um só Senhor e uma só fé (Ef 4:4-6), não existem três Deuses. Jesus certa vez disse: “Eu e o Pai, somos um (Jo 10:30)” e outra vez disse “quem vê a Mim, vê o Pai (Jo 14:9)”. Jeová é Deus (2 Sm 7:22), Jesus é Deus (Hb 1:8 / Fp 2:11) e o Espírito Santo é Deus (Jó 33:4 / I Co 2:11). Observe em Números 6:22-27, na benção sacerdotal, que ali o pronome “Senhor” é mencionado três vezes. Em Gênesis capítulo 1, vemos o Espírito de Deus (v.2), o Pai e a Palavra (v3) e o plural no versículo 26 “façamos” o homem conforme a “nossa” imagem e semelhança. 

A grande polêmica em torno da “Trindade Divina” é somente porque a palavra trindade não está escrita na bíblia sagrada. Não é porque a palavra trindade não esteja escrita que a Trindade Divina não exista de fato (Nm 6.22-27). Acrescenta-se a tudo isso que a palavra trindade é moderna e não existia no tempo em que a bíblia fora escrita. 

sábado, 20 de abril de 2013

Uma vida pautada na palavra de Deus

Grandes questões têm surgido em meio a uma sociedade em ebulição, as quais têm provocado um grande terremoto nos pilares morais estabelecidos há muito tempo. Hoje o certo e o errado se confundem de tal maneira que se oscila entre um lado e outro sem pudor ou sentimento de culpa, sendo grande a deterioração moral da sociedade atual.
Estamos vendo o grande surgimento das chamadas “novas famílias” que buscam os mesmos direitos da família tradicional. A homossexualidade deixou de ser tabu e caminha a passos largos para se tornar aos olhos da sociedade como algo natural. A corrupção tem tomado conta de nosso país e tem se refletido em todas as áreas da sociedade, inclusive na Igreja. O valor da diferença entre a vida e a morte está deixando de existir, se tonando apenas numa questão puramente intelectual, que tem levado de um modo frio e calculado, milhares de inocentes para a morte através do aborto e da eutanásia. Literalmente o amor tem se esfriado nos corações da humanidade. Mas, Deus tem plantado uma Igreja neste mundo, sendo a sua fiel porta-voz, transmitindo a sua mensagem com fidelidade, e propagando os valores de Deus e os seus padrões morais para a humanidade.

Além de pregar contra o pecado em todas as suas formas, a Igreja tem levantado a bandeira da santidade, sendo os seus integrantes a luz que refletem o padrão de Deus para a humanidade. Todo o pecado será castigado e todos aqueles que se afastam de Deus terão a sua devida recompensa, pois não se arrependeram dos seus erros e viveram na prática de seus pecados. O juízo de Deus é eminente e a Igreja de Deus é a responsável pela mensagem de despertamento e arrependimento para toda a humanidade. 

O homem precisa de limites, e sem limites ele se perde. Deus estabeleceu limites para a humanidade, os quais foram rompidos por causa de sua rebelião contra Deus. Mas as Escrituras nos advertem que sem a santificação ninguém verá o Senhor. É preciso mudar os padrões, deixar a escravidão do pecado e ser livre em Deus, vivendo uma vida de santidade e com padrões morais elevados. Em todo o seguimento da sociedade em que há um cristão verdadeiro, a luz tem resplandecido nas trevas. 

Precisamos ter a nossa vida pautada na palavra de Deus e sermos guiados pelo Espírito Santo, pois os céus e a terra passarão, mas as palavras do Senhor são eternas. A Igreja clama por santidade ao Senhor em todas as áreas da sociedade humana, e os que entrarem por este “Caminho” serão salvos desta geração perversa. A ética Cristã, tendo a Bíblia como o seu único manual de regra e fé, é o padrão estabelecido por Deus para a humanidade.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Quais são os diferentes nomes de Deus e o que significam?

Pergunta: "Quais são os diferentes nomes de Deus e o que significam?"

Resposta: Cada um dos muitos nomes de Deus descreve um aspecto diferente do seu caráter multifacetado.

Aqui estão alguns dos nomes mais conhecidos de Deus na Bíblia:

EL, ELOAH: Deus "poderoso, forte, proeminente" (Gênesis 7:1, Isaías 9:6) - etimologicamente, El parece significar "poder", como em "Tenho o poder para prejudicá-los" (Gênesis 31:29). El é associado com outras qualidades, tais como integridade (Números 23:19), zelo (Deuteronômio 5:9) e compaixão (Neemias 9:31), mas a raiz original de ‘poder’ continua.

ELOHIM: Deus "Criador, Poderoso e Forte" (Gênesis 17:7; Jeremias 31:33) - a forma plural de Eloah, a qual acomoda a doutrina da Trindade. Da primeira frase da Bíblia, a natureza superlativa do poder de Deus é evidente quando Deus (Elohim) fala para que o mundo exista (Gênesis 1:1).

EL SHADDAI: "Deus Todo-Poderoso", "O Poderoso de Jacó" (Gênesis 49:24; Salmo 132:2,5) - fala do poder supremo de Deus sobre todos.

ADONAI: "Senhor" (Gênesis 15:2; Juízes 6:15) - usado no lugar de YHWH, o qual os judeus achavam ser sagrado demais para ser pronunciado por homens pecadores. No Antigo Testamento, YHWH é mais utilizado em tratamentos de Deus com o Seu povo, enquanto que Adonai é mais utilizado quando Ele lida com os gentios.

YHWH / YAHWEH / JEOVÁ: "SENHOR" (Deuteronômio 6:4, Daniel 9:14) - a rigor, o único nome próprio para Deus. Traduzido nas bíblias em português como "SENHOR" (com letras maiúsculas) para distingui-lo de Adonai, "Senhor". A revelação do nome é primeiramente dada a Moisés "Eu sou quem eu sou" (Êxodo 3:14). Este nome especifica um imediatismo, uma presença. Yahweh está presente, acessível, perto dos que o invocam por livramento (Salmo 107:13), perdão (Salmo 25:11) e orientação (Salmo 31:3).

JEOVÁ-JIRÉ: "O Senhor proverá" (Gênesis 22:14) - o nome utilizado por Abraão quando Deus proveu o carneiro para ser sacrificado no lugar de Isaque.

JEOVÁ-RAFA: "O Senhor que sara" (Êxodo 15:26) - "Eu sou o Senhor que te sara", tanto em corpo e alma. No corpo, através da preservação e da cura de doenças, e na alma, pelo perdão de iniquidades.

JEOVÁ-NISSI: "O Senhor é minha bandeira" (Êxodo 17:15), onde por bandeira entende-se um lugar de reunião antes de uma batalha. Esse nome comemora a vitória sobre os amalequitas no deserto em Êxodo 17.

JEOVÁ-MAKADESH: "O Senhor que santifica, torna santo" (Levítico 20:8, Ezequiel 37:28) - Deus deixa claro que apenas Ele, e não a lei, pode purificar o Seu povo e fazê-los santos.

JEOVÁ-SHALOM: "O Senhor nossa paz" (Juízes 6:24) - o nome dado por Gideão ao altar que ele construiu após o Anjo do Senhor ter-lhe assegurado de que não morreria como achava que morreria depois de vê-lO.

JEOVÁ-ELOIM: "Senhor Deus" (Gênesis 2:4, Salmo 59:5) - uma combinação do singular nome YHWH e o nome genérico "Senhor", significando que Ele é o Senhor dos senhores.

JEOVÁ-TSIDIKENU: "O Senhor nossa justiça" (Jeremias 33:16) - Tal como acontece com Jeová-Makadesh, só Deus proporciona a justiça para o homem, em última instância, na pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo, o qual tornou-se pecado por nós "para que nele fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Coríntios 5:21).

JEOVÁ-ROHI: "O Senhor nosso Pastor" (Salmo 23:1) - Depois de Davi ponderar sobre seu relacionamento como um pastor de ovelhas, ele percebeu que era exatamente a mesma relação de Deus com ele, e assim declara: "Yahweh-Rohi é o meu Pastor. Nada me faltará" (Salmo 23:1).

JEOVÁ-SHAMMAH: "O Senhor está ali" (Ezequiel 48:35) - o nome atribuído a Jerusalém e ao templo lá, indicando que o outrora partida glória do Senhor (Ezequiel 8-11) havia retornado (Ezequiel 44:1-4).

JEOVÁ-SABAOTH: "O Senhor dos Exércitos" (Isaías 1:24, Salmos 46:7) - Exércitos significa "hordas", tanto dos anjos quanto dos homens. Ele é o Senhor dos exércitos dos céus e dos habitantes da terra, dos judeus e gentios, dos ricos e pobres, mestres e escravos. O nome expressa a majestade, poder e autoridade de Deus e mostra que Ele é capaz de realizar o que determina a fazer.

EL ELIOM: "Altíssimo" (Deuteronômio 26:19) - derivado da raiz hebraica para "subir" ou "ascender", então a implicação refere-se a algo que é muito alto. El Elyon denota a exaltação e fala de um direito absoluto ao senhorio.

EL ROI: "Deus que vê" (Gênesis 16:13) - o nome atribuído a Deus por Agar, sozinha e desesperada no deserto depois de ter sido expulsa por Sara (Gênesis 16:1-14). Quando Agar encontrou o Anjo do Senhor, ela percebeu que tinha visto o próprio Deus numa teofania. Ela também percebeu que El Roi a viu em sua angústia e testemunhou ser um Deus que vive e vê tudo.

EL-OLAM: "Deus eterno" (Salmo 90:1-3) - A natureza de Deus não tem princípio, fim e nem quaisquer limitações de tempo. Deus contém dentro de Si mesmo a causa do próprio tempo. "De eternidade a eternidade, tu és Deus."

EL-GIBOR: "Deus Poderoso" (Isaías 9:6) - o nome que descreve o Messias, Jesus Cristo, nesta porção profética de Isaías. Como um guerreiro forte e poderoso, o Messias, o Deus Forte, vai realizar a destruição dos inimigos de Deus e governar com cetro de ferro (Apocalipse 19:15).

Fonte: Got Questions
http://www.gotquestions.org/Portugues/nomes-de-Deus.html